Blog

Fatores de risco para doenças cardiovasculares

fatores de risco doenças cardiovasculares - Dra Júlia Bellucci - Cardiologista Joinville

A vida moderna e as tecnologias vêm inundando nosso organismo com produtos artificiais e tóxicos, reduzindo nossa atividade diária, tornando o sedentarismo nossa rotina.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos vítimas de doenças cardiovasculares, como ataques cardíacos e acidente vascular cerebral.

A doença cardiovascular é a primeira causa de morte entra a população brasileira sendo estimada em 31,5% dos óbitos no Brasil conforme divulgado pelo Ministério da Saúde.

As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte na maior parte dos países do mundo. São causa importante de incapacidade física e de invalidez e contribuem significativamente para o aumento de despesas com saúde, levando a uma notável queda da produtividade global.

Fatores de risco para doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares possuem uma estreita relação com estilo de vida. A OMS estima que ¾ da mortalidade cardiovascular podem ser diminuídos com adequadas mudanças no estilo de vida, e esse é nosso grande desafio.

Dentre seus fatores de risco está a pressão alta, que atinge 23,3% dos brasileiros, segundo pesquisa recente divulgada pelo Ministério da Saúde. Obesidade, vida sedentária, tabagismo, colesterol alto, diabetes, estresse, alimentação inadequada são outros importantes fatores que podem comprometer a saúde do seu coração, sendo assim, que tal aposentar de vez o sofá e partir para a ação?

A maioria das doenças cardiovasculares podem ser prevenidas, quando abordadas estratégias para controle dos fatores de risco comportamentais. Alguns desses fatores não têm como mudar: idade, sexo, história de doença cardíaca na família. Porém, existem outros que você pode mudar: fumo, alimentação inadequada, obesidade, falta de exercícios físicos, colesterol alterado, diabetes, pressão alta e estresse.

O alto número de casos tem-se correlacionado a comportamentos considerados não saudáveis, como dietas inadequada, sedentarismo, tabagismo e consumo abusivo de álcool. Os efeitos desses hábitos podem aparecer por meio de sinais como pressão alta, glicose sanguínea elevada, grande número de gordura no sangue, obesidade ou baixo peso.

Um evento coronariano agudo é a primeira manifestação da doença aterosclerótica em pelo menos metade das pessoas que apresentam essa complicação. Desta forma, a identificação dos indivíduos assintomáticos que estão mais predispostos é crucial para a prevenção efetiva.

Como mudar essa realidade?

Mudanças no estilo de vida com ênfase na atividade física programada, adoção de hábitos alimentares saudáveis, remoção do tabagismo e do uso de drogas em geral, melhora da qualidade de vida, além de estratégias para modular o estresse.

A prática de 30 minutos de atividade física diária ajuda a prevenir esse tipo de problema. Outra orientação é consumir pelo menos cinco porções de frutas e vegetais por dia e reduzir o sal nos alimentos para menos de uma colher de chá por dia.

Não é o coração que mata, e sim alguns hábitos que você pratica no dia-a-dia que maltratam sua saúde, sobretudo seu coração. RESPEITE O SEU CORAÇÃO, RESPEITE A VIDA!

 

Por: Dra Júlia Bellucci – CRM 18429 – RQE 14977

People photo created by senivpetro – www.freepik.com

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Veja Também

morte subita - Dra Júlia Bellucci - Cardiologista Joinville

O que é morte súbita?

“Meu coração parou por 16 minutos. Depois disso, uma parte de mim morreu: hoje vivo para ser feliz”. Em 2015 os participantes da Meia Maratona

Leia mais